Pressão popular faz deputados mudarem de opinião derrubando a PEC 37

PEC-37

Pressionados pela população que foi às ruas com milhares de cartazes, os deputados federais colocaram em pauta e rejeitaram por ampla maioria a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 37 na noite de terça-feira (25/6), em sessão extraordinária. Foram 430 votos contra a iniciativa e apenas 9 favoráveis. Também foram registradas duas abstenções.

A medida, que retirava os poderes de investigação do Ministério Público, foi interpretada pela sociedade como um afrouxamento em favor dos corruptos. O presidente da Câmara, Henrique Alves (PMDB-RN), procurou acelerar a votação em detrimento dos discursos. Na tribuna, alguns deputados chegaram a reconhecer que estavam mudando de posição devido à pressão da população contra a PEC 37. Outros parlamentares os acusaram de hipócritas, apesar de saudarem a sua “capacidade de ouvir o povo”.

A PEC 37 era defendida por delegados de Polícia Civil, que entendiam ter a exclusividade da investigação junto com a Polícia Federal. A OAB também defendeu a retirada dos poderes de investigação do Ministério Público. Mas a pressão da população, simpática às investigações contra a corrupção movidas pelo Ministério Público, forçou uma mudança de opiniões.

Promotores e procuradores do órgão de controle poderão continuar investigando e participando dos júris, um dos focos de crítica da rejeitada PEC 37. Ao final da votação, confirmada a rejeição da medida, estudantes e membros do Ministério Público que estavam no Plenário da Câmara dos Deputados comemoraram a decisão cantando o hino nacional. (Zero Hora)

Share